Adeus solo compactado! Piccin desenvolve tecnologia que resolve um dos principais gargalos da produtividade: a resistência do solo.

Que agricultor nunca teve perdas de produtividade por causa da compactação do solo? Um dos maiores problemas enfrentados no cultivo da lavoura, o solo compactado ocasiona uma série de prejuízos de produtividade, rentabilidade e, também, danos ambientais. Pensando em ajudar a reduzir esse problema e melhorar o desenvolvimento da planta, a Piccin está desenvolvendo tecnologias que ajudam a reduzir a resistência e melhorar a qualidade do solo para um plantio mais uniforme e rentável.

O aumento de densidade do solo é muito prejudicial ao cultivo, pois cria uma barreira física para o crescimento em profundidade das raízes, o que afeta a disponibilidade de água e de nutrientes, diminui a estabilidade da planta e a quantidade de ar disponível no solo. O escarificador EPCR 300, por exemplo, atua diretamente resolvendo esse problema. Indicado para descompactar a camada superficial do solo até 260 mm, graças ao posicionamento dos seus discos de corte em linha, o implemento realiza um corte perfeito de palhada. O implemento conta ainda com um sistema de desarme exclusivo que promove um ganho de rendimento operacional e de vida útil para a máquina.

As hastes do EPCR 300 são fundidas em material nodular e foram projetadas para realizar a descompactação através da vibração. “As hastes são produzidas para extrair o máximo de eficiência através da flexibilidade correta, resistência à abrasão e durabilidade”, explica o técnico agrícola da Piccin, Paulo Padilha.

Saiba mais

O preparo do solo visa, por meio da melhoria do ambiente, gerar condições físicas ideais para garantir um melhor crescimento radicular e o estabelecimento da cultura. Revolvendo a camada compactada, que cria uma barreira física ao desenvolvimento do sistema radicular da planta, a mesma terá uma raiz mais bem distribuída ao longo do perfil do solo, gerando, assim, os seguintes benefícios quando comparado com um solo compactado:

  • Aumento da capacidade de absorção de nutrientes;
  • Aumento da resistência a veranicos;
  • Diminuição do tombamento (específico para milho, cana etc);
  • Aumento da oxigenação do solo;
  • Diminuição do encharcamento do solo;
  • Diminuição das chances de ocorrer erosão, voçoroca e assoreamento de rios.

A descompactação do solo é uma questão de máxima relevância, pois a próxima oportunidade para que se repita essa prática agrícola ocorrerá somente após o término da colheita. Ou seja, se for adotada alguma prática inadequada, os problemas resultantes podem aparecer durante toda a safra.

Aceitamos BNDES